sexta-feira, 9 de dezembro de 2011



E, de repente, ela sentiu uma saudade. Mas uma saudade tão frágil e delicada que vinha destituída de qualquer expectativa de encontro. Era uma saudade seca, oca, sem necessidade de notícias (...)
A saudade, ela mesma, a palavra toda preenchida pela sensação, com rostos, cenários, detalhes tão íntimos, mas sem voz, sem qualquer barulho. Intransitiva e estéril. Fotografia sem foco. Desapegada como um monge. Um copo vazio.


Marla de Queiroz
 
 
 
 

2 comentários:

  1. Lindo neh ... se nao fosse saudade seria mais belo ainda !

    ResponderExcluir
  2. Saudade... se fazendo sempre presente =/

    ResponderExcluir